quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Previsões para 2009


Como trilheiro espiritual, vos digo: "Na mão direita sustentamos uma longa vida oportunista; na esquerda, riquezas, glórias, taças de vinhos franceses e mulheres dadivosas".

Todo ano os necessitados de ajuda divina fazem a mesma pergunta: o que acontecerá nos próximos 365 dias? Na Ordem Mundial dos Magos Esotéricos Oportunistas estudiosos concordam quando o assunto é a expectativa para 2009. Na minha opinião abalizada sugiro que peçam a paz dialética e torçam para que tudo corra bem. É o Sol que vai reger 2009 e os caminhantes de fé, e seus doadores, têm que viver o lado positivo das coisas e evitar a prepotência e a arrogância. O ano será de ânimos exaltados e caixa curto. Urano entrará em conjunção tântrica com Virgem e será um período infértil sem muitas mudanças, mas muita competição pelo pouco de crédito que há pelo mundo. Por se tratar de um regente cármico, o seguidor de fé e investidor astuto e oportunista deverá procurar refúgio em países monárquicos. Um país sul-americano se tornará então uma opção segura, considerando que sua moeda é real.

O Sol irá beneficiar aqueles situados em altos postos hierárquicos e de destaque com mais lutas no sentido profissional. A rivalidade e o individualismo estarão ainda mais presentes, o que é auspicioso para aqueles que levam a palavra divina aos necessitados generosos.

Sob a ótica numerológica 2009 será o ano do amor e da doação material, regido pelo número 2. O 2 também é o representante do poder dos ativos financeiros, da iniciativa mercadológica e do reforço nas contas correntes, principalmente através da partilha com entidades religiosas oportunistas e de renome. No Tarô Tibetano, o ano é simbolizado pelo Cofre, que é a carta da segurança cármica dicotômica. Representada por um homem em pé, à frente de um cofre, com os quatro elementos à sua disposição (ouro, vinho francês, mulheres dadivosas e títulos públicos da União Européia) e com o símbolo do infinito $ sobre a cabeça. A carta do Cofre indica estabilidade espiritual, controle rígido sobre os acontecimentos financeiros e aconselha sempre que se preserve o poder da iniciativa, sem medo de mudanças de nenhuma espécie. Nas Runas Burungudis o 2 corresponde a Sigil, a 13º carta do alfabeto rúnico. Sigil é a runa da segurança material e imaterial. Pode representar a realização de um sonho, pilotar uma Ferrari 599, ou um ganho financeiro inesperado, como dividendos estratosféricos de ações de empresas esotéricas. A pedra indica também sucesso amoroso, como uma conquista tântrica especial. Então aproveitem para entrar em comunhão carnal com aquela(e) gostosa(sujeito) que sempre desejou.

Por uma questão de ética profissional não irei mencionar aqui minhas previsões para 2009. Os ganhos a serem auferidos com palestras de auto-ajuda para empresários e líderes mundiais desesperados com a crise financeira me impedem. Mas faço aqui um adendo às minhas previsões para 2008:

Hillary Clinton não ganhou a eleição porque não quis. Ela rompeu o acordo e a ajuda esotérica cármica esperada não se realizou. Já Obama entendeu bem que o mundo espiritual tem um importante papel em certas situações.

Direto do Mae Hong Son, Tailândia: Na imagem acima a entrada de uma das filiais da Hector Hereeye Foundation, especialmente preparada para receberem peregrinas em busca de conhecimento tântrico. Na imagem abaixo um grupo de peregrinas saúda este escriba, às vésperas de seu 89º aniversário, na posição de adoração tríplice. Neste local proferi a última palestra do ano, "As previsões transcedentais dialéticas, uma abordagem holística de como prever tendências nos mercados de derivativos no mundo cármico dicotômico”, para 1.500 empresários de todo o planeta.

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Balanço Cármico Oportunista - 2008 o ano que entramos para a história


Como trilheiro espiritual, vos digo: "Não te furtes a fazer o bem e auferir lucros a quem de direito, estando na tua mão o poder dialético de fazê-lo". Como honorável mestre tântrico e mago esotérico oportunista faço, no dia de hoje, o balanço do que foi 2008, para a Hector Hereeye Foundation. Tivemos um ano bom, apesar das turbulências financeiras que influenciaram os mercados mundiais. Em primeiro lugar gostaria muito de agradecer a celestial e oportuna ajuda do nosso presidente latino-americano, mago Ykhro. Foi uma grande aquisição estratégica para a Hector Hereeye Foundation.

Em segundo lugar gostaria de agradecer aos 360 milhões de fiéis seguidores que mantém, em dia, suas contribuições mensais. Um acréscimo de 20% em nossas hostes. São US$ 10,00 todos os meses totalizando US$ 43,2 bilhões/ano. Isso só seria possível às 320 equipes, das filiais da HHF, totalizando 5.120 colaboradores, em todos os rincões da humanidade. Os 500 colaboradores da matriz devem ser lembrados pela sua dedicação ímpar à causa dialética. Nossa eficiência é quase divina. Agradeço, também, aos 1.580.000 empresários de todo o mundo que compareceram, em massa, às 250 palestras proferidas. O custo de US$ 1.250,00 por cabeça não foi um preço exorbitante pelas 2 horas de palavras do divino nirvânico. Não poderia deixar de citar que nosso trabalho assistencial beneficiou, com US$ 380 milhões cerca de 1.000.000 de pobres necessitados. Isso nos trouxe, indiretamente, um benefício fiscal de 99%, dos US$ 10,8 bilhões, em impostos recolhidos. Parabéns à equipe de advogados tributaristas. Fechamos o ano fiscal nirvânico de 2008 com mais US$ 39 bilhões em lucros auferidos que serão distribuídos entre os acionistas da Hector Hereeye Foundation. Nada mal para um ano, como disse, conturbado. Espero que 2009 seja melhor. O cenário mundial favorece aos que levam à palavra divina. Um campo promissor para o esoterismo oportunista. Por causa das turbulências mundiais serei precavido e prevejo um incremento de 10,23% ao final de 2009. Comemorem, pois.

Direto do Bancoc, Tailândia: Na imagem acima monges Bu-Shin-mao rezam em louvor a este escriba, às vésperas de seu 89º aniversário, perto da filial local da Hector Hereeye Foundation, onde proferi, especialmente, a palestra, "O balanço financeiro transcedental dialético, uma abordagem holística de como o trabalho esotérico pode ser lucrativo, no mundo cármico dicotômico”, para 1.500 empresários de todos os países do mundo material.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Tema de hoje: Da divisão


Como trilheiro espiritual, vos digo: "Aquele que reparte, toma a melhor parte". A caminhada esotérica oportunista é árdua. Os obstáculos são inúmeros. Somos compelidos à repetição "ad nauseam" de nossos ensinamentos. Cansativo. Garimpar dedicados e fiéis doadores generosos e abonados é quase uma crueldade com o caminhante de fé iniciante. Mas, ao adquirir experiência, encontramos o caminho e, com a ajuda do divino nirvânico, as ferramentas de nosso míster. Nesse momento sublime cabe a nós, "magos", orientar a divisão de bens. 10 % da arrecadação fica nas mãos do irmão recrutador. 20 % é depositado nos cofres da filial para custeio de despesas diversas. Os restantes 70% são enviados eletronicamente para as contas da matriz da Hector Hereeye Foundation espalhadas em paraísos fiscais. Nossos tributaristas trabalham muito, graças aos céus. A boa fonte de recursos deve ser preservada a qualquer custo. Deve desfrutar de passeios em bólidos esportivos do ano, cruzeiros pelos mares da moda e dos favores de irmãs especializadas em tantrismo dialético dadivosas. Somente assim podemos nos fortalecer como organização e continuar desfrutando de nosso vinho francês, na sacada de nosso chateau, sem culpa. Divisórios são os caminhos da iluminação.

Direto de Washington, Estados Unidos: Na imagem acima vemos duas peregrinas dividindo os prazeres de um bom banho de banheira após uma aula em um de nossos cursos de tântrismo dialético, especialmente ministrado por este escriba. Em seguida proferi a palestra "A divisão dicotômica, uma abordagem desafiadora para arrecadar fundos privados", ministrada para 1.500 empresários estadunidenses. Juntem-se a nós.

Em tempo: Muitos caminhantes me procuram para inquirir a respeito de minha ausência diária deste espaço cármico. Em verdade vos digo que continuo azafamado aconselhando governantes, investidores e empresários, ao redor do mundo, nos rumos para debelar a crise mundial financeira que se abateu no mundo material. Sempre a um preço módico, revertido para a Hector Hereeye Foundation e isento de impostos.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

ARENA DA MORTE – ritual para cura da frigidez


Já caíam aquelas fagulhas que se pareciam com miniaturas de meteoritos incandescentes, mas essas como sempre eram resultantes de uma erupção vulcânica. E o olhar do ancião Doxtus (nos seus 101 anos de idade) contemplava à distância enquanto ele imaginava sua filha Sênskiti comandando mais uma multidão de aprendizes naquele ritual que acontecia perigosamente próximo ao vulcão.

Os deuses colocaram outra vez aquela família no olho do furacão de mudanças necessárias à raça humana. E, realmente, graças à intervenção de sua filha, aquela geração se curava pouco a pouco do terrível surto coletivo de frigidez feminina.Tribos supersticiosas haviam criado a ilusão coletiva de que o sexo deveria ser apenas para procriação, ofuscando desde então a luz tântrica e provocando o desinteresse generalizado de algumas mulheres por causa principalmente de possessões brutais em cativeiro.



Providencialmente, a deusa Kundalini havia aparecido em visões à jovem guerreira Sênskiti.

O resultado foi a revelação do espantoso ritual conhecido como Arena da Morte.

Pela primeira vez, agora, a maneira como acontecia essa cerimônia - tantricamente estimulante - é divulgada ao público leigo, por tanto bem que fez às gerações posteriores e pelas comprovadas repercussões nos nossos dias.
........
........
A bela Sênskiti havia sido escolhida em razão de seu poder extraordinário sobre outras mulheres, cujos desejos ela conseguia incendiar, criando incríveis disputas de resistência física, nas quais duas mulheres se engalfinhavam e se tocavam buscando zonas erógenas, cada uma em sua adversária, numa modalidade de toque em que somente os instrumentos do olfato e do paladar eram válidos para despertar reações recíprocas de volúpias em qualquer dentre as duas fêmeas “guerreiras”. As mãos deviam sempre ficar posicionadas para trás, com dedos entrecruzados, considerando-se apenas o nariz ou a língua como instrumento de “ataque”. De fato, era uma busca por achar o ponto estimulante necessário a uma reação da adversária que fosse o suficiente para que ela se sentisse compelida à possessão sexual da outra. Isso significava submissão e escravidão para aquela que fosse a primeira invadida pelo desejo. Não era permitido, então, que prosseguisse na disputa a primeira que fosse possuída pela fúria tântrica e tentasse satisfazer seu desejo após um “combate” que geralmente acontecia com seus corpos rolando perigosamente à beira de uma plataforma ligeiramente elevada em relação ao nível do solo onde corria rescaldo de lava vulcânica capaz de desfigurar quem ali caísse
.



Observe-se bem que esse perigo obrigava-as a se manter no centro da pequena área, pois o instinto de preservação as mantinha cada vez mais suadas buscando “uma o corpo da outra”, enquanto durasse uma gelatinosa resina especial aplicada sobre suas peles antes das lutas (que tinha sabor e frescor semelhantes ao que seria hoje uma bala de menta e servia de proteção contra o calor por até o máximo de duas horas). A platéia ao redor mantinha um silêncio reverente durante todo o ritual, o que permitia que valessem como pontos os gemidos ofegantes que aconteciam quando uma das competidoras era invadida finalmente pelos sintomas do desejo.

Um momento tornava-se complicado em algumas daquelas sessões primitivamente tidas como terapêuticas. Sim, porque uma situação de contágio da libido às vezes tomava conta de alguma competidora que aguardava ainda sua vez. Nesse caso, tal descuidada mulher era desclassificada antecipadamente e não era raro que se formasse um tumulto tão incontrolável a ponto de algumas lamentáveis perdas acontecerem ao caírem mulheres dentro dos fluxos de lava logo abaixo da plataforma de combate. Essa era a principal razão para que esse ritual tenha sido chamado de Arena da Morte.

Àquela mulher que passasse pelas eliminatórias seria permitido chegar ao ponto culminante, mas não sem que primeiro enfrentasse a própria Sênskiti. E era esse o último desafio antes da premiação, que consistia em ter seus talentos explorados pelo guerreiro tântrico conhecido como Thomptus, o primeiro mestre da técnica Zenfiron Fartis – o sopro sibilante.

............
............


Meu irmão, minha irmã. A frigidez é uma ilusão alimentada por teorias freudianas.

Tenham em mente que o tátil e o psicológico estão apenas provisoriamente em campos distintos do sentir.

Em linguagem de tantrismo dialético dizemos que tudo está à distância de um sopro.

O bafejo benéfico amentolado depende de quem cativa e de quem é cativado.

Mas a Lei Universal da Revolução Voluptuosa de Corpos garante que Respiração é Ação, sendo necessário apurar os instrumentos que canalizam a sinergia tântrica.

Eis a seguir a ritmação tântrica revelada:

- “respiro, saboreio, possuo”.


O segredo para curar a frigidez, sem Freud, é quando você se permite inverter a ordem dos dois primeiros (respiro/saboreio...saboreio/respiro) mas evita começar do último (o “possuo”).
Porque, em termos tântricos, quem começa sempre com esse último pode até estar preparado para a reprodução... mas sua produção tântrica poderá ficar condicionada aos jogos das marés e corre o risco de morrer na praia.

Agora... vá, respire, saboreie e incandesça!!!

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Tema de hoje: De todos os escolhidos


Como trilheiro espirituaç, vos digo: "Rejubilem-se os escolhidos pelo divino nirvânico, pois deles serão os estratosféricos ganhos financeiros terrenos e a entrada no reino dos céus". A viagem audaz do mundo é cíclica. Quando pensamos que não seremos surpreendidos surgem fatos antigos com nova roupagem. A maravilha da coisa é que a humanidade é falha quando diz respeito à memória. Ela é incapaz de reter os ensinamentos e aplicá-los quando necessário. O caminhante de fé deve estar atento à estas oportunidades. Percorra seu caminho, utilize o vasto e bem estruturado banco de dados provido pela Hector Hereeye Foundation e torne-se um sagaz conselheiro dos abonados e desperados. Torne-os doadores generosos e conquiste seu bônus anual sem esforço. Há espaço na mesa para acolher todos aqueles que obtem sucesso na empreitada esotérica oportunista. Mas caso não seja possível, os salões são suficientemente vastos para recebê-los e alimentá-los com caviar e legítimo champanhe francês. Nós, "magos", somos praticantes da técnica holística espiritual. Proferimos palestras para levar este conehcimento adquirido ao longo dos séculos, a preços módicos, a todos os rincões da humanidade. E assim pdoemos desfrutar de nosso vinho francês, na sacada de nosso chateau, sem culpa. Totalitários são os caminhos da iluminação.

Direto de Detroit, Estados Unidos: Na imagem acima vemos um grupo de peregrinas aguardando a seleção para um de nossos cursos de tântrismo dialético, especialmente ministrado por este escriba. Em seguida proferi a palestra "A argumentação dicotômica, uma abordagem desafiadora para arrecadar fundos públicos para a iniciativa privada", ministrada para 1.500 empresários do ramo automobilistíco estadunidense. Juntem-se a nós.

Em tempo: Muitos caminhantes me procuram para inquirir a respeito de minha ausência diária deste espaço cármico. Em verdade vos digo que tenho estado azafamado aconselhando governantes, investidores e empresários, ao redor do mundo, nos rumos para debelar a crise mundial financeira que se abateu no mundo material. Sempre a um preço módico, revertido para a Hector Hereeye Foundation e isento de impostos.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

O Mistério da Levitação


A Hector Hereeye Foundation apresentou ao mundo a mestra An Yu Huen, a primeira discípula formada diretamente pelo mago Heitor Caolho na arte de levitação tântrica.

Recentemente ela esteve na sede da HHF da América Latina onde, após duas horas de meditação em extremo isolamento a dois comigo (Ykhro), ela saiu a público e levitou na presença de cientistas pesquisadores dessa especialíssima técnica de domínio do corpo físico.

Os experimentos continuarão ao longo de todo o final deste ano, especialmente no mês de dezembro, quando então o supremo presidente Heitor Caolho iniciará o novo processo de seleção das magoempresárias que serão encaminhadas à China – com a missão sagrada de firmar contratos comerciais que possibilitarão as primeiras escolas de levitação tântrica para as monjas da nossa rede de ashrams já em funcionamento naquele país há cerca de dois anos e meio.

As inscrições estarão ocorrendo nos primeiros dez dias do próximo mês, porém os currículos já podem ser encaminhados – lembrando que o sigilo é a nossa maior marca de credibilidade.

Lembramos que a técnica demonstrada pela mestra, aí na foto, já foi comprovada como ideal para casos de depressão através de testes em algumas peregrinas com “problemas pós-separação conjugal”. Além disso, não é exigido qualquer conhecimento prévio de técnicas de ioga.

Na outra foto logo abaixo, um flagrante de levitação “com carro e tudo” - técnica executada mais uma vez pela nossa mestra ao retirar o veículo de um estacionamento (tudo arquivado pelo International Tantric Levitation Research). Algumas pessoas afirmam veementemente que haveria outra pessoa com ela lá dentro, que seria de fato responsável pelo fenômeno.

Agora, olhe e julgue o que vê.




sábado, 8 de novembro de 2008

O Destino de Sarah Palin

Meu irmão e minha irmã.

Jamais deixeis de estender a mão tântrica a uma guerreira que bata à porta de uma filial da HHF, por mais estabanada que essa mulher esteja se comportando - por conta de uma configuração astral ruim ou por não ter cumprido seus votos para com o divino nirvânico.

Antes, falemos de uma outra importante conhecida do cenário político internacional.


Como todos sabem, havia um compromisso da Hector Hereeye Foundation no sentido de ajudar a eleger a esposa do Bill Clinton, devido a um contrato bilionário que tínhamos firmado com esse antigo e influente ex-chefão dos EEUU. E foi por essa razão que o mago Heitor Caolho - cujos contratos este mago que vos fala (Ykhro) assina na América Latina – havia incluído em suas profecias a mulher que já havia sido a primeira-dama daquela nação como sendo a ganhadora (ver as previsões da última passagem de ano).

A quebra de contrato se deu pelo fato do Bill Clinton haver sido ameaçado - pelos líderes de uma conhecida igreja protestante – de ter suas burlas ao fisco reveladas às vésperas da eleição, caso ele continuasse associado à nossa gloriosa organização. Pelas regras contratuais, então, acabamos de última hora direcionando todo o nosso aparato de marketing na internet para o concorrente de Hilllary e o acompanhamos na vitória retumbante. Infelizmente, as leis americanas não obrigam o governo do presidente eleito a atender aos nossos reclames comerciais futuros.

O fato é que recebi hoje - do nosso pessoal que atua por lá - um boletim informando que acabamos de firmar contrato com o governo do Alaska, mas o que mais impressiona é como a Sarah Palin tem se demonstrado fiel aos princípios que havia assumido na época da militância no Tantrismo Dialético da Hector Hereeye Foundation do seu país.

A energia Ho-Shu-Mi ainda não a havia abandonado, conforme muitos equivocadamente diziam. Apenas ela esteve no movimento contrário ao nosso, e isso por pouco tempo. Nós mesmos a havíamos aconselhado a recusar o convite para candidata a vice do adversário.

Muitos ainda ouvirão falar dessa mulher. E uma futura visita dela à nossa sede brasileira está sendo agendada para 2010.

Pretendemos refazer o marketing de Sarah Palin. Assim, nesse referido ano, aproveitaremos o ano da corrida sucessória presidencial que deverá ocorrer aqui no Brasil, para demonstrar "como" a energia Ho-Shu-Mi está viva em nosso meio e em nossa época. O objetivo será a conscientização de que uma nação precisa de força tântrica para crescer – e não apenas de bio-combustíveis.

Agora, vá e divulgue a campanha:
- “Sarah Palin: é com ela que eu ainda vou...!”

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Tema de hoje: Do guerreiro ninja


Como trilheiro espiritual, vos digo: "O ninjutsu não é um espetáculo. Uma demonstração pública de ninjutsu; é em si a negação do shinobi...". O que quer que isso signifique, deve o caminhante de fé ter em mente que não nos tornamos o canal de comunicação do Divino Nirvânico para nos apresentarmos em platéias. Apenas os mais altos membros da Hector Hereeye Foundation possuem a autorização para tal. Cabe então, aos nossos valiosos colaboradores, o trabalho perseverante e humilde da busca, incessante, por generosos doadores abonados. Aquele que encontra a fé esotérica oportunista terá a certeza de bons serviços. Nós, "magos", somente palestramos por força do cargo. O valor de US$ 1.500,00 cobrado a cada ouvinte é totalmente revertido para a fundação. Somente assim podemos usufruir, com a conciência tranquila e em paz, dos bons vinhos existentes na adega de nosso chateau. Guerreiros são os caminhos da iluminação.

Em tempo
: Devido à gigantesca crise mundial, que assola os mercados consumidores e financeiros globais, estamos promovendo, em todas as nossas filiais em todos os rincões da humnidade, cursos de curta duração abordando temas importantes para investidores desesperados e incautos despreparados. Empresários do setor não pagam, mediante módica ajuda posterior.

Direto de George Town, Ilhas Caymans: Na imagem acima uma peregrina pratica a fina arte do ninjutsu tântrico, conduzido por este escriba. Após o exaustivo treinamento proferi a palestra "Salvem-se quem puder, uma abordagem agressiva de transferência de ativos entre instituições financeiras e lançamento fiscal cruzado em paraísos fiscais", para 1.500 empresários de todas as partes do mundo. Esta palestra será proferida durante todo o mês de outubro e novembro, dada a quantidade de pedidos de inscrição que recebemos. Juntem-se a nós.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

As Hortifrutis - Enxergando o Fenômeno


Nunca atire pedras nos frutos suculentos pendentes das belas árvores. Descubra o proveito da colheita cautelosa e de uma degustação cuidadosa, de modo a preservar-lhes o sabor.

Jamais condene aquilo que salta aos olhos e pede para ser tocado – no corpo de uma mulher – como se desafiasse você a saber exercer a aproximação e o toque sem surtos.

Meu irmão ou minha irmã, para mero efeito de raciocínio, escolha entre as seguintes opções quanto àquilo que em sua opinião valeria mais:

1) um par de olhos arregalados fitando curvilíneas e estonteantes formas exibidas por um corpo, cuja possuidora o faz desfilar generosamente com intenção meramente profissional para as lentes do fotógrafo ou cinegrafista;

2) um par de olhos de um cirurgião plástico fitando o mesmo fenômeno acima mencionado, mas com finalidade de revisar se algumas próteses de silicone estariam bem firmes no lugar.

A resposta que provavelmente veio à sua mente é que se você não estiver envolvido como sendo o observador nem (você, minha irmã) a observada... anula-se a questão, não é verdade?
Qual é então o peso de uma mulher-hortifruti – em qualquer das alardeadas versões: melancia, melão, abacaxi, pêra, uva, maçã, salada mista – e suas congêneres, no contexto tântrico-dialético defendido pela Hector Hereeye Foundation?


Neste ponto, meu irmão ou minha irmã, um pensamento certamente relampeja em sua mente.

- “A proteína do amor tântrico seria proporcional à fartura de tudo o que “enche os olhos” e até mesmo do que seja abundante ao toque?”

Considere o corpo feminino, em suas curvas que se insinuam com maior ou menor encanto, ou com os seus cheiros realçados pelos aromas de perfumaria e cosméticos.

O poeta não vê a poesia. Ele vê a musa. E é dela que surgem as redondilhas maiores ou menores, que fluem através dele.

Na verdade, o poeta em transe verte sentimentos em versos. A musa não pertence ao ideal do poeta, pois ela pode ser em um instante uma fêmea de fartos e superabundantes atributos e em outro momento ser delgada e sensualmente delicada.
Desta forma, minha irmã, nunca diga: “esta fruta não serei”.



Quanto a você, meu irmão, nós “magos do tantrismo” jamais dizemos: “desta fruta não comerei”.
Nós, do tantrismo esclarecido, sempre nos baseamos em relatos considerados apenas lendas e que traduzem lições. Um exemplo disso é aquele que descreve Doxtus sendo salvo de uma queda livre à beira de um penhasco, tendo escapado por obra do reflexo que o fez dependurar-se agarrando fortemente os seios já flácidos da bela Mizfen e isso fazendo com que escapasse de morte certa.

Também há o relato sobre uma cunhada dessa pioneira do tantrismo, a qual também livrou o guerreiro Doxtus de ser atingido por um soco desferido por um inimigo maior e mais forte no momento em que ela se interpôs entre o punho do agressor e o queixo do cunhado, simplesmente suportando o choque com seus fartos seios.

Portanto, você agora já deve ter compreendido.

Vamos repetir, para uma melhor assimilação, porque você certamente já está percebendo essa verdade sutil.

- “A musa não pertence ao ideal do poeta, pois ela pode ser em um instante uma fêmea de fartos e superabundantes atributos e em outro momento ser delgada e sensualmente delicada”.

Simples assim!

No tantrismo esclarecido, nós somos aqueles que não fazemos perguntas do tipo: “é silicone?”...(!!!)

E não nos guiamos por um padrão que não seja o do desejo, o qual pode vir de qualquer das várias dimensões do prazer. Isso significa que uma peregrina pode estar apta para exercer todo o seu fascínio, tendo adquirido o mestrado ou doutorado em uma de nossas filiais da Hector Hereeye Foundation.

Portanto, de agora por diante, você está preparado (e você, minha irmã, está preparada) para seguir sua jornada com todas as metades da laranja em cada uma das safras que se iniciarem.

Agora, vá e não escolha.

Apenas, colha!

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Tema de hoje: Da luz


Como trilheiro espiritual, vos digo: "A sociedade esotérica enriquece a mente, mas a solidão é a escola do gênio financeiro e arguto recrutador de talentosos doadores". Nos mais isolados rincões da humanidade plantamos nossa semente. A Hector Hereeye Foundation é um grupo de sucesso. Nunca se viu tantas oportunidades como agora, que o mercado financeiro está em pânico. Cabe a cada um dos caminhantes de fé mostrar sua solidariedade nessa hora tão negra. Como lobos solitários devem levar a luz e pregar a harmonia. Os sábios conselhos, determinados pelo concílio esotérico oportunista, devem ser levados aos desesperados investidores do mundo material, e vendidos a peso de ouro 99,99%. Hão de ver que colocar seu dinheiro em ações, fundos de investimento e outros ativos é negócio para gente grande e preparada. Ao livrarem-nos do peso absurdo de sua conta bancária, tornarão os abonados doadores pessoas melhores. Nós, "magos", apesar do pesado investimento em ativos ao redor do mundo, temos muito cuidado com o portfólio. E, como temos liquidez divina, podemos entrar nesse momento de "bacia das almas" e comprar empresas a preço de banana. Em nosso chateau, ao final de mais um dia de árduo trabalho e análise de tendências, bebemos uma taça de nosso robusto vinho francês, aguardando o próximo movimento da balança comercial. Iluminados são os caminhos da iluminação.

Direto de Nova York, Estados Unidos: Na imagem acima investidoras demonstram todo seu alívio depois de uma sessão de tântrismo dialético e conselhos financeiros. Logo em seguida proferi a palestra "Como se livrar de ativos podres ou o mico pode subir para o telhado sem a ajuda esotérico oportunista?" para 15.000 empresários e financistas estadunidenses. Juntem-se a nós.

sábado, 4 de outubro de 2008

A Nudez e a Alma – Amando Sem Crise


Faça do seu corpo sua alma, pois assim conhecerá a aurora dos tempos, e sob o olhar da pessoa amada você estará ressurgindo em novidade que a encantará.

No princípio dos tempos – entenda bem, meu irmão ou minha irmã -, os olhos não se sujeitavam àquilo que viam, estando o homem e a mulher confinados ao instinto de procriação. A Natureza apenas ensinava a lei da sobrevivência, somente restando a intuição humana como modo seguro de algo vir a ser revelado.

Até que o fenômeno natural de um reflexo na superfície das águas límpidas de um rio fez a beleza aparecer pela primeira vez ao casal de humanos que ali saciava sua sede.

Neste ponto, quem lê estas palavras pode estar agora tendo os primeiros lampejos de uma verdade universal perpassando vagamente o seu entendimento.

- “É verdade? Teria sido escondida na profundeza do rio... a tal maçã ?”

Você sempre tem estado em busca daquele misterioso elo representado por um fruto proibido, não é?


Mas, em verdade lhes asseguro, tudo está relacionado com os olhos que contemplaram aquele reflexo e com as ondulações provocadas pelo vento sobre a superfície da água naquele rio.

Mizfen, a primeira mulher a ser refletida naquele espelho natural improvisado, pareceu graciosamente mais bela aos olhos de Doxtus - o seu par, o seu homem. Havia uma sinuosidade que antes não houvera sido notada por ele. E isso foi como se escamas caíssem dos olhos de ambos.

Doxtus acordou do torpor em que havia estado durante quase uma década. O olfato, o paladar, o tato – enfim, os sentidos -, cada um foi renovado em suas impressões sobre o corpo daquela mulher.

Mizfen, a primeira mulher realmente desejada, conheceu o prazer durante muitos sóis e luas, até que Doxtus chegou à exaustão. Felizmente, a Natureza permitiu que por alguns momentos ela aprendesse, com seu próximo ciclo de mênstruos, que algo diferente acontecera entre os dois. Foi o primeiro registro da chamada “pausa necessária”.

O fato é que Doxtus agora havia passado a ser também um ponto de referência para Mizfen no meio natural em que viviam. Ela, a fêmea, já não tinha mais aqueles pesadelos noturnos nos quais outros espécimes machos do reino animal pareciam assumir o lugar do ser par, em violenta possessão sexual.

A aurora dos tempos dos tempos tântricos havia chegado.

Até que veio a quebra de um novo paradigma: as roupas.

Proteger-se das intempéries da Natureza... que nada...!

Mizfen, certa noite, teve em sonhos uma iluminação nova. Enquanto um novo ciclo de mênstruos chegava, para perplexidade de Doxtus, ela pôs em prática o resultado de tudo com que sonhara naquele transe noturno.

As vestes confeccionadas a partir de peles de animais foram trabalhadas de forma sensual, tendo como resultado o início de um jogo de sedução que resultou em uma aventura arrebatadora para o homem Doxtus.

Sabiamente, aquela mulher construiu um emaranhado de laços com as tiras de couro em volta e abaixo da cintura. E, com certos artifícios próprios a uma mulher que se havia descoberto como sendo um objeto de enlevos nunca antes a ela dedicados pelo seu par, teceu regras que conferiam graça e emoção ao jogo de sedução. O emprego de muita criatividade para romper os obstáculos propositalmente criados por Mizfen, a qual acabara de se tornar a primeira peregrina tântrica, fez com que o sexo finalmente tivesse sabor tanto quanto outros prazeres que envolvessem os cinco sentidos e a imaginação.

Doxtus ficou encantado ao perceber que os seus estímulos aplicados ao corpo de sua companheira, uma vez reunidos aos recursos de encantamentos idealizados por ela própria, fizeram com que as formas femininas ressurgissem cada vez mais encantadoras.

Neste ponto, meu irmão ou minha irmã, lendo estas palavras, você provavelmente já descobriu o quanto sua intuição estava certa.

De fato, dessa forma, o Homem – aqui representado por Doxtus - aprendeu o renovo dos ciclos da sedução. Em um futuro não muito distante haveria problemas. Justamente em razão de Doxtus descobrir que outras fêmeas copiavam a sua querida Mizfen, e que elas passaram a seduzi-lo em desafios semelhantes que provocaram enciumadas e sangrentas batalhas entre mulheres e mulheres, muitas das quais preferiram migrar para novos relacionamentos ao perceberem que Mizfen era mais forte e sagaz na descoberta de novos meios para seduzir o seu par.

Incrivelmente, meu irmão ou minha irmã, tudo isso acabou gerando a primeira Guerra dos Sexos no meio dos seres humanos.




Após o estabelecimento dos novos paradigmas, representados pelo trinômio “roupa-sedução-nudez” aplicado ao comportamento sexual, muitas tribos de humanos foram alcançadas por um novo enfoque em diversos continentes. Tanto que no Século MMMV a.C um Conselho de Sábios se reuniu diante do altar de Penka, deusa do gigantismo sexual.

Reza a lenda que Modimis, respeitado sacerdote, era considerado uma espécie de cientista naquele modo rudimentar de entender os mistérios do corpo humano. Teria sido ele o primeiro a relacionar os ciclos lunares à aparição dos mênstruos nas fêmeas.

Pois foi justamente esse sábio sacerdote que pôs em prática uma votação – imaginem isso... um sufrágio!!! - para determinar se Doxtus ou se Mizfen haveria sido o veículo humano pelo qual a deusa Penka havia trazido aquele frenesi (que hoje sabemos ser o prazer tântrico) para dentro do relacionamento entre casais.

Infelizmente, alguns pergaminhos perderam-se e não sabemos até agora como resultou aquela estranha escolha em torno dos “pais do tantrismo”, exceto por alguns sinais de escrita rústica em papiro que dão conta de que houve competições que visavam ao desempate das argumentações, que nos permitem “pintar” quadros imaginários de testes de resistência tântrica, primitivamente cronometrados, em que os casais doxtusianos e mizfenianos procuravam provar quem estaria certo na questão “te tomo/me toma”.

Meu irmão ou minha irmã, repetir nunca é demais.

- Faça do seu corpo sua alma, pois assim conhecerá a aurora dos tempos, e sob o olhar da pessoa amada você estará ressurgindo em novidade que a encantará.

E lembre-se de que as regras básicas para entender o sexo oposto, com seguras orientações para compensar as eventuais desproporcionalidades físicas no momento do “te tomo/me toma”, estão A-B-Ene-Temente fixadas em nosso guia de tantrismo intitulado “Dantismo Tântrico 1080 – O Prazer Ajuizado”.

Agora, vá e desajuíze com moderação.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Tema de hoje: Da obviedade do fim


Como trilheiro espiritual, vos digo: "Nada mais certo que a morte e os impostos; nada mais incerto que a hora da morte e do dia do julgamento dos recursos judiciais cabíveis para reaver o dinheiro tributado". O verdadeiro caminhante de fé está apto a encarar os maiores desafios. Não só a conversão dos necessitados de ajuda e o recebimento ininterrupto das doações. No âmbito esotérico oportunista, a luz das bençãos do divino nirvânico, vencer a bancarrota e a falência pessoal e empresarial são, sem dúvida, o maior dos obstáculos. Ensinamos aos nossos seguidores que o profundo estudo das leis financeiras e tributárias permite não só a prestação de aprimorada consultoria como também abre os olhos para as armadilhas e desvios existentes nas cartas magnas de qualquer país. Nós, "magos", nos refugiamos em paraísos fiscais e nos cercamos de valiosos advogados tributaristas. Somente assim conseguimos desfrutar de nosso cálice de vinho francês, ao entardecer na varanda de nosso chateau, sem ônus. A morte? Bom a morte é inevitável, Carpem Diem. Óbvios e mortais são os caminhos da iluminação.

Direto de Berna, Suiça: Na imagem acima um de nossos consultores apresenta estudos detalhados para duas peregrinas abonadas e generosas, em um de nossos escritórios especiais da Hector Hereeye Foundation. Logo após proferi a palestra "É dando valores que se recebem bençãos divinas", para 1.500 empresários suiços. Juntem-se a nós.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

UMA MÃO NA RODA – A Chegada da Era de Estágios


Meu irmão, minha irmã, você já adquiriu seu próprio certificado de participação em um dos cursos de gestão de resultados da Hector Hereeye Foundation? Já está a par de como a nossa Fundação tem trabalhado na América Latina para melhorar a situação dos jovens aspirantes ao mercado de trabalho, nos inúmeros campos profissionais, que ainda têm como primeiro degrau o chamado “estágio”? Lembra do tratamento dignificante que se tem observado em nossas fileiras quando selecionamos jovens empreendedores que trabalharão na iluminação da humanidade?Confira, a seguir, todas as dicas sobre como suas aptidões são muitos mais importantes do que aparentemente têm sido aos olhos de uma sociedade ainda sem iluminação. E que possa você abrir bem os olhos!
..............................
..............................

Na Antiguidade Clássica todos os olhos eram voltados para os pensadores, que eram os filósofos e não os seres pensantes, porque estes últimos tinham no máximo essa designação por não serem da realeza, não podendo evoluir para a primeira categoria - que era a dos pensadores.

Isso mesmo:

- pensantes = qualquer um, cidadão ou escravo;

- realeza = gênero próximo aos deuses;

- filósofos = manifestações das divindades na forma conhecida como "palavra sábia".


Isso estava muito bem posto, até que fatos científicos surgiram e somente agora são revelados ao público leigo, aqui pela Hector Hereeye Foundation.

Houve uma pequena estatueta, desenterrada durante uma escavação arqueológica, em cuja base circular foi constatada a inscrição NATNA HILCA VALD-ROS, que em tradução mais próxima ficaria assim:

- “registro aqui o franzir do meu cenho pensativo”.

Novas pesquisas revelaram imagens pintadas em tecidos que eram usados na confecção das vestimentas dos filósofos gregos dos tempos aristotélicos, pelas quais se podem visualizar (na parte de dentro de cada forro) pequenos recados deixados por escravos aos seus amos filósofos, com frases que seguem um padrão que em geral seria:

- “mestre, ninguém viu que elaborei este pensamento e nem mesmo os meus pais saberão que um dia eu fui o autor dessas vossas célebres palavras minhas”.

Neste ponto, meu irmão ou minha irmã, uma névoa de sutil desconfiança pode estar perpassando a mente de quem lê aqui. Poderia um reles escravo ser um co-autor de boa parte do grande legado deixado pelos maiores pensadores da aurora filosófica cujo berço é atribuído às Civilizações Antigas? Estaríamos prestes a apontar uma pretensa origem para a figura predominantemente jovem do trabalhador contemporâneo cujas obras intelectuais ou práticas de labor (por vezes extenuantes) são às vezes denominadas de mera prática acadêmica?

E o que dizer das façanhas das empresas públicas, ou daqueles resultados alardeados pelo setor privado dos nossos dias, que conquistam índices fantásticos de produtividade, mas agem contrariamente à visão enobrecedora que a Hector Hereeye Foundation tem se esforçado em disseminar mundo afora (all over the world)?


Sim, pois o que se tem unanimemente em consideração é que esta é a instituição que mais tem primado pelo reconhecimento das valorosas contribuições intelectuais ou inventivas de todas as peregrinas - assim como de todo o staff de estagiários responsáveis pelo crescimento da obra de iluminação dicotômica e dialético-tântrica neste planeta. É, portanto, a linha de frente nesse aspecto social relevante.

Tudo começou a se esclarecer quando os iluminados juristas que trabalham para a Hector Hereeye Foundation uniram forças com legisladores empreendedores e esclarecidos na elaboração de novos postulados éticos e trabalhistas, este últimos agora sendo condensados numa nova lei prestes a entrar em vigor neste país gloriosamente cravado no continente América do Sul – o Brasil.

Novas luzes foram lançadas sobre a questão. Novos manuscritos foram por nós trazidos ao conhecimento das mais notáveis cabeças pensantes. Novos pergaminhos foram descobertos sobre a lenda intitulada de “Os Doze Trabalhos de Hércules”, demonstrando o verdadeiro propósito dos deuses do Olimpo, que teriam poupado esse herói mitológico de uma estagnação física e uma conseqüente desmoralização perante o Cosmos, fazendo-o executar somente metade dessas gigantescas tarefas valendo-se das forças de um mortal na finalização da outra parte – este último agindo como um sósia para confundir as forças ocultas que tentavam dominar os mundos elevados dos deuses.




Neste ponto, meu irmão ou minha irmã, uma fagulha de ânimo deve estar começando a acontecer no sentimento de quem lê estas linhas.

Se você está entre os que comemoram a iminência de aprovação de uma nova lei brasileira que regulamenta o suado e criativo labor do estagiário acadêmico, nós da Hector Hereeye Foundation estamos igualmente exultantes.



Chegou o momento de encarar de igual para igual aquele "sorriso superior" de alguns sádicos empregadores que se servem dos talentosos estagiários, apenas lhes reservando um mero:
- "muito obrigado, passar bem!"
Meu irmão ou minha irmã, você certamente precisará se sentir inserido no contexto dos novos desafios deste milênio.
Lembre-se, agora, neste momento festivo, de unir forças com o movimento de iluminação do tantrismo esclarecido - você sabe: o Tantrismo Dialético!
Aqui você vai adquirir o "molejo", o domínio.
Aqui você acenderá a tocha. E a pira olímpica é sua.
A chama tântrica, que aproxima você de sua "metade da laranja" ao longo das sucessivas novas safras, fará de você alguém dinâmico e vencedor.
E, meu irmão ou minha irmã, passe a estudar mais os ensinamentos da nossa Fundação, conheça a nossa publicação corporativista "Anuário de uma Magoempresa" (não confundir com Diário de um Mago, do Paul Rabbit).
Vá em frente que lá você é gente.
Agora, vá e conte a verdade!

sábado, 30 de agosto de 2008

Tema de hoje: Do cristal e do espelho


Como trilheiro espiritual, vos digo: "O melhor espelho é o olhar de um doador generoso e abonado". Todo caminhante de fé deve investir em sua apresentação pessoal. Seu asseio, seu linguajar e sua solicitude são o melhor cartão de visitas quando busca recursos inesgotáveis. É claro, meu irmão, minha irmã, que rodar com sua Ferrari 599, ou estar presente em inúmeros cruzeiros pelo Caribe, também ajuda. Mas nada de suntuosidade. Isso é um pecado mortal para aqueles que procuram a ajuda do divino nirvânico, intimida. Nós, "magos", mantemos a simplicidade de nosso chateau não por comodismo, mas por necessidade. O vinho francês que bebemos é apenas um contra-ponto. Cristalinos e espelhados são os caminhos da iluminação.

Direto de Gränna, Suécia: Na imagem acima uma peregrina exercita seu eu interior e seus desejos ocultos após uma aula de tântrismo dialético na filial local da Hector Hereeye Foundation. Logo após proferi a palestra "Cristalizando negociações dicotômicas, uma abordagem esotérica e fiscal das doações materiais", para 1.500 empresários suecos. Juntem-se a nós.

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Tema de hoje: Do pecado nirvânico


Como trilheiro espiritual, vos digo: "Mais vale um pecador dialético do que um virtuoso empobrecido". O caminhante de fé deve ficar atento às tentações. Já falamos aqui sobre o pecado, mas gostaria de reforçar que aquele que peca pela avareza, não transferindo todo o montante doado pelo abonado e generoso doador, merece as penas infinitas do inferno dicotômico. Meu irmão, minha irmã, o pecado existe, ao presenciá-lo, denuncie-o. Nada mais triste do que cair junto com o pecador nas malhas da lei divina nirvânica. Nós, "magos", contratamos empresas insuspeitas para auditar nossas contas e identificar desvios. Isso garante a tranquilidade do happy hour em nosso chateau, desfrutando de uma inocente taça de vinho francês. Pecaminosos são os caminhos da iluminação.

Direto de Marijampolė, Lituânia: Na imagem acima vemos a Ferrari de um de nossos ex-associados que caiu em tentação. No mesmo dia encontrava-me há milhares de quilometros de distância proferindo a palestra "Os caminhos tortuosos da análise contábil, uma abordagem espiritual da auditoria fiscal", para 1.500 empresários lituanos.

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Tema de hoje: Do conhecimento


Como trilheiro espiritual, parafraseando um dos maiores ícones do esoterismo mundial, Jesus Apócrifo, vos digo: "Não deixe que alguém sem fé e escrupulos segure as chaves do conhecimento que pode te libertar nirvanicamente, que pode transformar sua vida dialética". Meu irmão, minha irmã, os ensinamentos esotérico oportunistas, pregados nesse espaço internético e em todas as filiais regionais da Hector Hereeye Foundation, são gratuitos. Apenas sugerimos gentilmente que potenciais e abonados beneficiários desses ensinamentos doem uma parcela significativa de seus rendimentos para que possamos continuar nosso trabalho de fé e pregação. Esse é o grande trabalho daqueles que vivem em comunhão com o divino nirvânico. Ninguém vive de vento. Somente desfrutando de um belíssimo por-do-sol que nós, "magos", entendemos que nosso chateau e os saborosos vinhos franceses que bebemos são uma parte do mistério dicotômico. Conhecidos são os caminhos da iluminação.

Direto de New York, Estados Unidos: Na imagem acima uma peregrina demonstra o prazer do saber tântrico ministrado por este escriba. Logo após proferi a palestra "O conhecimento sábio sapiencial, uma abordagem pragmática da transferência de recursos em troca de informações privilegiadas" para 1.500 empresários norte-americanos.

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Sabedoria de Maquiavel - Os Direitos Humanos do Príncipe

Embora a Hector Hereeye Foundation tenha sempre se mantido à distância de debates estéreis, do tipo “discutir o sexo dos anjos”, não tem hesitado, porém, em fazer justiça às personalidades incompreendidas da História.

Maquiavel, por exemplo, foi tido como sábio e também um tropeço para alguns.

Na verdade, Maquiavel tinha sérios problemas para aparecer em público e foi desdenhado pelos que zombavam da sua estatura física – pois, por conta de um distúrbio genético, atingiu o porte físico de dois metros e vinte (2,20m). Ele se identificava filosoficamente com o gigante Golias, aquele que, de acordo com a lenda, morreu com uma pedrada desferida por Davi.

Maquiavel quase não foi visto pelo povo de sua época. Os soberanos absolutistas o reinventaram, fazendo transitar no meio da sociedade um obscuro cidadão de porte mediano que assumiu ser esse controvertido filósofo - para aparições públicas.

Maquiavel escreveu muitas coisas que não apareceram para o mundo, pois os soberanos e a nobreza resolveram tirar proveito apenas daquilo que lhes foi conveniente. Ele deixou anotações onde, entre outras coisas, afirmava ter pesadelos nos quais assistia ao embate entre Davi e Golias.
Nesses pesadelos noturnos, Maquiavel tinha conversas com uma pretensa testemunha ocular da lendária luta entre Davi e Golias – aparição essa que se dizia de nome “Edridon”.




Edridon apareceria, então, como o primeiro a levantar uma bandeira daquilo que hoje conhecemos como direitos humanos. Essa figura misteriosa teria sido (nos tempos dos guerreiros bíblicos) o único dentre os próprios israelitas a questionar o guerreiro Davi como sendo uma espécie de matador inescrupuloso.

Para Edridon, que supostamente presenciou tudo, Golias era portador de um distúrbio do crescimento semelhante àquele que no futuro atingiria pessoas como o próprio Maquiavel. Isso tornaria Golias uma espécie de gigante retardado e bobão, comportamento esse que teria sido confundido com agressividade.

Transcrevo, agora, alguns pensamentos de Maquiavel, jamais antes revelados.

Julgue você mesmo, meu irmão ou minha irmã.
- "Se um plebeu vier te pedir o peixe, melhor que o vendas como escravo a algum barco pesqueiro".
- "Quanto àquele que com ferro ferir, deverás treiná-lo na arte de forjar o aço das adagas".
- "Se um plebeu for flagrado mentindo a outro de sua espécie, deverás indicá-lo ao Concílio para ser nomeado sacerdote pela Corte".
- "Ao lavrador que cedo madruga deverás pedir que não tranque a porta dos fundos da casa onde habita, até que a tenhas vistoriado pessoalmente".
- "Todo aquele que é contumaz em semear os ventos da discórdia deverá ser nomeado o gestor das apostas nos jogos de azar mantidos pela Corte, para evitar ao máximo que saia de lá ileso qualquer ganhador com os bolsos lotados do vil metal".
- "Sempre descobrirás um santo cuja imagem tenha atraído vultosas doações, para cobrires "o outro", que logicamente é aquele diligente sacerdote comprado que cuida do templo e a quem darás muitos títulos honoríficos perante o Concílio e a Corte".
- "É sempre bom perdoares os excessos dos teus aduladores, pois são a mão-de-obra mais barata nas missões suicidas em tempos de guerra".
- "Em terra de cegos ninguém está de olho no rei".



Neste ponto, meu irmão ou minha irmã, você deve estar se perguntando:
- “era Maquiavel um louco... ou era um defensor dos direitos humanos dos príncipes?”
Ou ainda:

- “como aproveitar os ensinamentos desse sábio?”
É simples.

Se por um acaso você é “o Príncipe” (ou, você irmã, “a Princesa”), na realeza das próprias décadas cheias de perfídia tântrica, aí então você é um gigante e deve ter cuidado com aqueles que lhe irão atrair para aquela armadilha de alcova em busca de um culpado para um casamento desfeito.

Lembre-se de que:

- os filhos justificam os meios-termos com que julgarão você.

Comporte-se como o Príncipe. Algum sutil acusador tentará tirar você do caminho, pois a caminhada dos príncipes é sempre invejada e uma pedrada entre os olhos está sempre iminente.

Você tem os seus direitos humanos perfeitamente justificáveis.

Ao ler (e reler) a obra de Maquiavel, jamais você deixará de aprender algo novo.

Agora, vá e governe.

Afortunadamente, ame!

sábado, 2 de agosto de 2008

Tema de hoje: Da caverna


Como trilheiro espiritual, vos digo: "Se o vento vem de um cofre vazio, isto não aconteceu sem uma razão". Durante minha caminhada esotérica conheci um mestre em meditação dicotômica. Ele passou décadas meditando, sozinho, em uma caverna. Uma vez ao ano ele saia, à entrada de seu local de reclusão, e proferia um ensinamento. No começo, ninguém o ouvia. Mas com o passar do tempo, dezenas, centenas e milhares de peregrinos acorriam, na data, para embriagarem-se com seus profundos pensamentos. No dia que o conheci, ele proferiu uma enigmática palavra: "bigorna", disse simplesmente. Seus olhos pousaram naquele ajuntamento humano e, magnânimo, escolheu-me para compartilhar de seu habitat. A caverna era ricamente decorada e abastecida com o que havia de mais fino na arte gourmet. "Os peregrinos mostraram-se generosos com suas palavras", eu disse. "Não há generosidade e, sim, a justa paga por mostrar, aos que estão na escuridão, a luz no fim do túnel", respondeu. Meu irmão, minha irmã, ao se questionarem sobre o esforço em arrecadar recursos de generosos e abonados doadores ou no valor que tem a aquisição de bólidos esportivos, compra de críticos venais ou adulação de editores gananciosos lembrem-se disso. Nós, "magos", preparamos a iluminação de todos, justo então é desfrutarmos de nosso chateau e dos vinhos franceses que bebemos. Cavernosos são os caminhos da iluminação.

Direto de Brugg, Suíça: Na imagem acima uma peregrina prepara-se para meditar. Ao mesmo tempo proferia a palestra "Os valores humanos e seus cofres dialéticos, uma abordagem dicotômica da riqueza humana", para 1.500 empresários e banqueiros suíços. Juntem-se a nós.

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Tema de hoje: Dos livros


Como trilheiro espiritual, vos digo: "Ler é o melhor remédio". No caminho Ao-Shu-man aprendi o valor que as sagradas escrituras esotérico oportunistas tem. Li milhares de páginas e interpretei os pensamentos do divino nirvânico. Refletindo sobre essas palavras dialéticas foi que surgiu o lampejo de iniciar a Hector Hereeye Foundation e levar a salvação dicotômica a todos os rincões da humanidade. Sugiro aqui, além dos livros inéditos, campões de vendagem e escritos por esse escriba, 3 outros livros de autores parceiros:

Psicologia Tântica e Alquimia Cármica, Carl Marxe: Um profundo livro de aprofundamento na sagrada arte do tantrismo dialético. Nele, o autor discorre sobre as impossibilidades do Id, enquanto ego, de superar o super-ego e penetrar profundamente os mistérios da Grande Obra. Não é um fim em si mesmo, mas apenas um começo de caminhada.

Questões Abertas e Contas Secretas
, São Thomas de Aquino: Como toda a obra de São Thomas, é um excelente guia para aqueles que se iniciam na caminhada esotérica oportunista. Ensina, em detalhes, a sublime arte de esconder seus vastos recursos arrecadados, burlando o fisco e gerando lucros inalcançáveis. Se não achar este título, compre qualquer outro do mesmo autor. Mas é preciso ler com paciência e tempo. Há dicas importantes a serem seguidas pelo caminhante de fé.

A Arte do Êxtase Tântrico, Margareth Sybil Tatcher: Diretamente da ilha de Lesbos a autora apresenta formas sublimes e impensadas de praticar o tantrismo dialético. O seu único inconveniente é ser caríssimo, coerente com os ensinamentos oportunistas difundidos pela Hector Hereeye Foundation. A visão inteligente, sensual, erótica, profunda e não-dogmática do sexo tântrico como forma de aproximação com a força espiritual transformadora do divino nirvânico é a grande tônica. Obviamente que sugerimos que se pratique, sempre que possível.

Direto de Katmandu, Nepal: Na imagem acima uma peregrina lê um dos livros indicados preparando-se para por em prática os ensinamentos apreendidos, juntamente com esse escriba. Logo após proferi a palestra "A leitura cármica, uma abordagem dicotômica da realidade estrtural da educação", para 1.500 empresários nepaleses.

sábado, 19 de julho de 2008

Roma em Coma - Dossiê Nero

A ruína de Roma foi feita em um dia.

Quando Nero observava ensandecido o crepitar daquelas chamas... não se devia isso a algum rato que lhe roera a rede. Tampouco esse louco imperador entenderia que Roma havia sido desmoralizada por obra de Classeguis, seu conselheiro real e o primeiro dos seres humanos a achar que era a reencarnação da Rainha Cleópatra.


Você, meu irmão ou minha irmã, já suspeitou de alguém que parecia estar esperando uma oportunidade para lhe incluir em algum reduto? Já se pegou agindo como aquela pessoa que há algum tempo lhe parecia estranha demais, e que agora você parece estar imitando?


A História registra acontecimentos que podem ajudar a explicar o comportamento humano dos nossos dias. Um manuscrito redigido em papiro revela que o Egito Antigo foi o berço de uma maldição que recairia sobre todos os emergentes impérios cujos governantes ousassem se proclamar os senhores do mundo. A Grande Pirâmide passaria a ser o olho observador da maior de todas as divindades egípcias (Aguerivis), a presenciar a ruína moral desses líderes diante de suas mulheres estupefatas – e foi justamente a partir do ano 30 a.C. que o Império Romano começava a se enquadrar na realização desse vaticínio justamente por haver dominado sob seu jugo o antigo mundo dos faraós.


O imperador Nero havia sido seduzido por uma estranha idéia que Classeguis lhe havia incutido. Este último elaborou um raciocínio estranhíssimo que supostamente apontava as mulheres romanas como causa para os deuses abandonarem Roma nas mãos dos inimigos em batalhas recentes.

Classeguis engrandecia os feitos de Alexandre, aquele líder do império da Macedônia com reputação de “o Grande”, que vivera alguns séculos antes e cuja biblioteca (que levou o seu nome) ficou famosa pelos registros dos bacanais gregos.

E Nero não entendeu que aquilo tudo era fruto do ódio que Classeguis sentia pelas mulheres romanas detentoras (em sua maioria) do domínio absoluto de uma técnica de tantrismo que migrara secretamente do Extremo Oriente – e com isso elas impediam que muitos dos fortes guerreiros do exército romano fossem seduzidos pelos bacanais patrocinados por aquele que acreditava ser uma reencarnação da Rainha Cleópatra.


E aí – da mesma forma que no futuro o “grande” psicanalista Freud viria a colocar a culpa no inconsciente e na mãe de qualquer um que gostasse de sexo - Nero então passou a perseguir as mulheres.


Até que durante um determinado ritual hipnótico urdido por Classeguis ele se convenceu ser mensageiro de uma outra mulher egípcia, que nele deveria incorporar. Em lugar daquele famoso (e já estranho) galhinho preso na orelha, com que o imperador aparece em algumas pinturas, o que se via agora era uma rosa cuidadosamente “ajeitada” ali. A tragédia se desenhou por completo quando, num acesso de fúria, a mulher que supostamente Nero carregava em si aflorou de dentro dele – e foi a primeira vez na História que se ouviu a frase:

- "mutantis mutandis".

Essa expressão de desabafo seria (se fosse nos dias de hoje e em língua portuguesa) traduzida popularmente como “êêêêpa-aaa...(!!!)”.


O resultado foi a visão impressionante de soldados com suas armaduras em louca perseguição às mulheres mais lindas que este mundo até então havia produzido. Não que pretendessem amá-las... mas ao contrário para, em obediência a um comando de Nero, fazerem-nas ficar encurraladas juntamente com alguns cristãos em certos pontos centrais daquela Cidade-Estado.


O resto da narrativa, já se sabe, foi fogo!

Depois, quando as chamas baixaram, Classeguis veio a ser encontrado morto por uma das belas mulheres que conseguira se esconder do lado de fora daquela zona consumida. Alguns registros dão conta de que ela haveria conseguido reconduzir Nero a sua antiga condição de amante do sexo oposto - que a ele era atribuída antes do estranho fenômeno "mutantis mutandis" -, mas o que se sabe é que ele depois acusou os cristãos pelo incêndio de Roma.



Você, meu irmão ou minha irmã, saiba decifrar as mensagens subliminares que podem ser uma espécie de Classeguis na sua vida.

Já observou que, nesta viagem ao longo da estrada chamada vida, muitos tentam empurrar para você aqueles “pratos-feitos” como se o seu próprio instinto natural estivesse errado?

Desconfie, meu irmão ou minha irmã, de quem está a todo instante grudado em você a lhe dizer como fazer para “você ser mais você”. A menos que essa pessoa seja do seu próprio sangue ou seja um claro resultado da lei da atração fluindo sem esforço a seu favor, tome cuidado com sermões e ciumeiras estranhas ou com pedras atiradas contra quem se aproximar de você.

E lembre-se, também, de não querer ser o herói ou a lenda que essa pessoa vai descrever com um certo... “entusiamo”...!

Se você, ao ler isso aqui, ficou intrigado com alguma coisa... saiba que eu não estou lhe avisando de coisa alguma, pois a regra diz:

- “quem avisa, amigo NÃO é”.

Agora, vá e encontre alguém... mas somente se quiser!

terça-feira, 15 de julho de 2008

AMEBA EPOPÉICA – As Origens do Enrosco

No princípio não havia casais.

A unidade celular do Ser conhecia somente a hemoplegia.

Não havia a fricção, não havia aquilo que hoje conhecemos como “o prazer”.

O ente hemoplégico bastava-se a si mesmo.

Onde havia atmosfera, gases e calor... havia condição de vida, porém a sensação resultante era apenas a de um movimento desordenado - o qual gerava o estado que na poesia nórdica era mencionado no primeiro verso da canção Vernavius Namer Disboiandas, cuja tradução mais próxima seria “isolamento auto-infligido”.

Após milhões de ciclos solares, uma perturbação surgiu na atmosfera pangéica, cujos resultados se fizeram notar nos organismos vivos. Parte disso foi a estranha reação alérgica ao isolamento que mais tarde seria classificada como “surtomicometria”, quando o ente unicelular passou a friccionar-se a si próprio num ritual que lembrava uma serpente dando um nó na extensão do próprio corpo. Essa imagem ficou registrada em várias tradições e lendas antigas, sendo muito comum aquele simbolismo de um ofídio que aparece numa autofagia a partir da própria cauda em movimento circular.

O fato é que essa surtomicometria, comparável a uma coceira, acabou por provocar uma explosão orgânica em um desses entes unicelulares quando expostos acidentalmente à radiação de algumas rochas subterrâneas.

Essa foi a origem da bipolação que, em palavras simples, podemos dizer que significou a divisão daquele ser em macho e fêmea, fenômeno que pode ser considerado uma realidade pelo simples fato de que aquilo que hoje chamamos de sensação de clímax, ou prazer, foi registrado na memória genética dos futuros seres que viriam a povoar o orbe terrestre.


A essa altura, meu irmão ou minha irmã, você pode estar perguntando:

- “e a maçã... onde fica nisso tudo?”

Simples, a maçã ainda na existia. Mas, certamente, ficaria na macieira – onde é o seu lugar.

O fato é que o atavismo da raça humana foi construído providencialmente para um futuro reencontro entre essas duas partes.

Doutrinas religiosas futuramente iriam confundir as mentes desinformadas, para fazer parecer que a surtomicometria seria um caminho para a libertação humana do seu apego à materialidade.

Bem, uma lenda nórdica reza que os deuses ficaram maravilhados ao presenciarem o reencontro das duas metades daquele ser unicelular, depois de uma busca frenética em meio aos turbilhões atmosféricos que os haviam separado por milhares de novos ciclos solares.

Os Céus ficaram encantados, diz a narrativa.

O bailado era frenético, uma energia criativa emanava daquele primeiro reencontro.

Um enrosco acontecia, que as Eras futuras consagrariam em meio às tradições populares (e religiosas também) como: "atracação", "coito" ou "cópula".


A essa altura, meu irmão ou minha irmã, você pode estar perguntando:

- “e o barro... o Homem não veio do barro?”

Simples, pois o barro era o ambiente onde aconteciam os reencontros daquelas amebas epopéicas.

Foi desse rala-e-rola no barro que surgiu a primeira das vestes ou roupas como função de adorno, mas não de vergonha.

Foi justamente quando, após cada volteio desses ancestrais na lama, muitas marcas sinuosas ficavam nos corpos de ambos. Isso dava uma impressão de que tudo por baixo daquela película estaria misteriosamente acomodado e apertadinho aos olhos de um e do outro de cada um desses primeiros “casais”. E o curioso é que certas marquinhas de barro às vezes acabavam por modelar e marcar mais interessantemente em um deles do que no outro.

A essa altura, meu irmão ou minha irmã, você pode estar perguntando:

- “e o primeiro casal... não eram opostos – homem e mulher?”

Simples, pois os primeiros seres já começavam a desenvolver inteligência e imaginação. Isso fez com que muitos acabassem por assimilar aquelas marquinhas em padrões semelhantes para alguns grupos conforme eclodiam novas radiações planetárias, vindo a se criarem padrões oportunisticamente influenciados pelo medo de recaírem na autofagia já mencionada anteriormente.

A essa altura, meu irmão ou minha irmã, você pode estar perguntando:

- “e daí... o que eu vou fazer com esse conhecimento?”

Simples: se você ainda não aprendeu a lição, vai acabar como diz aquele título da antiga canção nórdica:
- “Vernavius Namer Disboiandas”

Agora, vá e não seja mais uma primitiva ameba epopéica.

Ame.

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Tema de hoje: Das promessas


Como trilheiro espiritual, vos digo: "Prometeu ao divino nirvânico, tem que cumprir". Muitos dos caminhantes de fé neófitos se perguntam: "ajoelhei, tenho que rezar?". Sim, é a resposta. Ao se comprometer com a arrecadação de recursos, meu irmão, minha irmã, não deve falhar, nem fazer corpo mole. Se encontrar obstáculos, use de todos os recursos para cumprir sua missão dicotômica. Mesmo que tenha que engolir sapos. Levar para uma volta, em seu bólido esportivo, como uma Ferrari 599, um doador generoso e abonado em potencial, cheio de areia da praia e com o calção salgado, é um exemplo de desprendimento que é fartamente recompensado, dentro das leis dialéticas. Nós, "magos", nunca prometemos nada, nem a entrada no paraíso nirvânico. Só assim podemos usufruir de nosso chateau e de nossos impecáveis vinhos franceses, sem culpa. Prometidos são os caminhos da iluminação.

Direto de Cartago, Tunísia: Na imagem acima vemos uma peregrina se penitenciando pelas promessas não-cumpridas no rio que cerca a filial local da Hector Hereeye Foundation. Neste mesmo dia proferi a palestra "Os caminhos imperdoáveis, uma abordagem sobre a punição divina nirvânica", para 1.500 empresários tunisianos.

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Hollywood – Juízo Final - A Última Trincheira Oportunista



Novas guerras aconteceriam, muitas delas atravessando a Era Cristã.


O Novo Mundo não era assim tão “recém-descoberto”, conforme vocês já tiveram a oportunidade de saber por meio da verdadeira história de Judas Iscariotes.


Na realidade, na Península Ibérica ocorreram fatos importantes tanto quanto a Revolução Francesa do outro lado do mapa.


A parte mais importante de todo o enredo, no entanto, ficou escondida por trás dos holofotes. Quando, em meados do Século XX, Heitor Caolho e Maharishi conversavam secretamente, não era apenas sobre como influenciar a humanidade através de quatro seletos discípulos que ao mundo se revelariam como The Beatles.


Os dois gurus tinham em mente um plano audacioso cujo objetivo era o de dar continuidade ao projeto maior:

- descortinar aos olhos do mundo novas investidas sinistras dos descendentes daquela raça impura (os não-hititas), também ramificados pela Europa, cujos modelos sanguinários foram denunciados na primeira metade do Século XX por Charles Chaplin na obra-prima em que satirizou Hitler naquelas célebres cenas que mostravam “o insano” brincando com o globo.


Talentosos atores e atrizes reuniam-se com grandes diretores, enquanto avançavam as técnicas de filmagens nas décadas seguintes.


Havia pressa.


Nunca a conhecida arte por trás da persona – conforme os gregos chamaram o fenômeno de interpretar – afigurava-se tão importante. Por essa razão, escolas de interpretação eram custeadas pela ainda desconhecida Hector Hereeye Foundation. Pessoas desenvolviam seus talentos em arte dramática através de revolucionárias técnicas de transposição de personalidade mescladas com os exercícios de tantrismo dialético, estes últimos para fortalecimento da vontade com finalidade de resistir às manobras sutis dos grupos que (mesmo até hoje) têm se infiltrado nas artes, quaisquer que sejam, para disseminar a maldade e a dor no orbe terrestre.


Hollywood, que aparentava ser apenas capaz de produzir meros adocicados musicais, já se mostrava uma trincheira a mais na luta do Bem contra o Mal.


E essa guerra secreta ficou cada vez mais acirrada, a ponto de atingir o ápice no momento em que um dos membros da seita Horrificus Desirée foi enviado para eliminar o discípulo mais querido do guru Maharishi, exatamente o beatle John Lennon.


John Lennon havia surpreendido o mundo com o sucesso da música “Imagine”, que compusera após haver conhecido pessoalmente o mago Heitor Caolho – dizendo-se inspirado por haver tido o privilégio de conhecer o criador da técnica do Tantrismo Dialético Dicotômico ao mesmo tempo em que vinha tendo aulas de Meditação Transcendental com o guru Maharishi.


A morte de John Lennon provocou um grande choque no iogue Maharishi, que resolveu retornar à sua vida ascética e recusou sociedade com a Hector Hereeye Foundation.
Hollywood foi sendo cada vez mais influenciada pelos diretores, atores e produtores recém-formados pela Hector Hereeye Foundation – enquanto esta escola da Sabedoria Milenar já se expandia economicamente e era freqüentada por futuros líderes daquelas que vieram a ser conhecidas como “igrejas da prosperidade”.


Registre-se aqui que muitos líderes dessas organizações religiosas desvirtuaram os ensinos de Heitor Caolho e os misturaram com preceitos confusos de suas próprias criações, instituindo autoridades eclesiásticas clonadas da Igreja Católica.


O golpe fatal sobre o ânimo do guru Maharishi não havia abalado Heitor Caolho e, por conseqüência, Hollywood continuou como suporte do Bem.


Grandes produções vêm sendo lançadas desde então, todas com conteúdo esclarecedor ou iluminador, podendo-se citar nessa esteira:


- Hair (ainda na época de parceria dos dois gurus Heitor e Maharishi);
- 2001 Odisséia no Espaço;
- A Última Tentação de Cristo;
- O Nome da Rosa;
- A Lista de Schindler;
- Star Wars (todos, de George Lucas);
- Ghost/Outro Lado da Vida;
- A Insustentável Leveza do Ser;
- A Corrente do Bem;
- Kill Bill (que ajudou a derrotar o mito do tal “sexo frágil”);
- Matrix;
- Harry Potter (com livros e série que têm como autora uma das mais influentes esoteristas oportunistas atuais);
- O Senhor dos Anéis.
- Sex and the City – O Filme.

Aproveitamos para registrar aqui que um certo bruxo brasileiro conseguiu vender a um atravessador de Hollywood os direitos de seu livro principal. A referida negociação está sendo questionada nos tribunais americanos.

Enquanto isso, mentes hostis têm se infiltrado em Hollywood com finalidade de disseminar o caos, o medo e a dor, ou até mesmo de fazer o mundo perder o senso do ridículo. São influenciadores de filmes como:


- O Exorcista (que tem finalidade clara de alimentar a crença em um diabo, com direito a chamas infernais para quem não aceitar a autoridade eclesiástica);
- O Massacre da Serra Elétrica (para alimentar nos seres violentos a sanha pela trucidação);
- Fred e Jason – A Hora do Pesadelo e Sexta-Feira 13 (para espalhar fobias pelo mundo);
- Hannibal -Silêncio dos Inocentes (para insinuar que todo mundo é potencialmente canibal);
- Marte Ataca (para fazer pensar que vida em outro planeta é piada);
- Os Simpsons – O Filme (para igualar todo mundo e o mundo inteiro na birutice);
- 300 (para ajudar Frank Miller a desmantelar a História).

Meu irmão e minha irmã.

A guerra entre o Bem e o Mal é a mesma desde sempre.

De um lado (o do Mal) há sempre alguém desejando dominar as consciências, para espalhar a crença no segregacionismo ou vender a autoridade de religiosos equivocados. Pense em como tentam fazer você ficar dependente da indústria dos medicamentos. Avalie o quanto querem que você tenha medo de se libertar do medo. Observe o quanto empurram você para o abismo da hostilidade contra o seu semelhante por causa da condição social ou da nacionalidade e até da crença religiosa.

Do outro lado, está a Vida ensinando você a pensar no melhor.


1) A não alimentar uma mágoa.
2) A não deixar de acreditar no amanhã.
3) A denunciar, em sua própria consciência, que cruzar os braços é o gesto que desmente o abraço amigo.
4) A entender que a suposta perda da metade da laranja pode significar a revelação de uma nova safra.
5) A perceber que ao acreditar que a vida continua depois da morte... você também poderá amar bastante a vida que tem a vida.

Agora, vá e procure a pulsação de uma boa e afetuosa companhia.

Exiba a sua melhor produção.

O mundo está à espera.


  ©"Em verdade vos digo", o blog da Hector Hereeye Foundation Template layla-imagem banner Kazuhiko Nakamura

TOPO  

Clicky Web Analytics